Compartilhe

Um adolescente morreu e uma jovem está em coma por “envenenamento” depois de fumarem juntos em uma festa do pijama nesta segunda-feira em Byisk, no Sul da Rússia, segundo a polícia local.

Denis Shnayder, de 12 anos, não pôde ser salvo. Ele fez uso de cigarro eletrônico com a irmã, que se chama Viktoria e tem 18 anos, e uma amiga, Anastasia, de 17, que está internada em coma no hospital. Viktoria também foi internada para tratamento médico, depois que os três foram encontrados, inconscientes, pela avó de Anastasia pela manhã.

“Todos eles consumiram misturas para fumar com um dispositivo eletrônico”, disse Lyudmila Ryazantseva, do Comitê de Investigação da Rússia.

Um processo criminal foi aberto para saber se a negligência dos pais foi um fator na morte de Denis. O grupo estava usando cigarros eletrônicos para inalar um vapor de nicotina, aromatizantes e produtos químicos.

Viktoria havia postado em um vídeo nas mídias sociais: “Eu fumo o dia todo até me sentir doente”, publicou.

O caso gerou demandas por controles mais rígidos sobre o uso de cigarros eletrônicos no país, para proteger os jovens russos. “Se as crianças estão morrendo de vaping, a lei atual que iguala isso aos cigarros não é suficiente”, disse o deputado Denis Svishchev, chefe do comitê de esportes do parlamento russo.

Outro deputado, Sultan Khamzaev, pediu a proibição total de vaping e produtos relacionados ao tabaco para crianças.

Segundo a pneumologista Nelly Bakhareva, em entrevista à rádio russa Moscou Falando, a morte por inalação de cigarro eletrônico ocorre apenas na presença de doenças concomitantes. O especialista observou que fumar um “vape” leva à intoxicação do corpo, mas não é mais perigoso do que os cigarros comuns. Na opinião dela, a morte do adolescente poderia ter acontecido por outro motivo.”Acho que houve algum problema muito sério, possivelmente relacionado ao coração, um distúrbio do ritmo que não havia sido diagnosticado antes” disse a médica na entrevista. (O Globo)


Compartilhe