Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A agência de jornalismo independente e investigativo Amazônia Real vai comemorar os oito anos de sua fundação oferecendo ao público eventos online e presencial – com o protocolo da pandemia do novo coronavírus – , entre eles, bate-papos com fotógrafos, repórteres, lideranças indígenas e cientistas entre os dias 18 e 22 de outubro. Os eventos serão transmitidos ao vivo pelas plataformas Youtube, Facebook e Twitter.

Reconhecida internacionalmente como um dos meios de comunicação mais relevantes da região Norte do Brasil, a agência é dirigida pelas jornalistas Kátia Brasil e Elaíze Farias. As coberturas focadas nas populações tradicionais e questões da região amazônica já foram premiadas diversas vezes e e são referências para novas iniciativas da mídia independente e de projetos sobre os povos da Amazônia.

O comprometimento com o jornalismo ético, que defende as liberdades de expressão e de imprensa, os direitos humanos e valores da diversidade, equidade e igualdade, é hoje um exemplo para os jornalistas e estudantes. “O que me dá mais orgulho hoje é quando ouço um colega jornalista que eu admiro dizendo que se reinventou na profissão e se inspirou na Amazônia Real para criar o seu site ou agência de notícias. Há oito anos, nós nos inspiramos na Pública (Brasil), no El Faro (El Salvador) e no ProPublica (EUA). Acho isso magnífico, sensacional”, disse a jornalista Kátia Brasil.

“A Amazônia Real mostrou que é possível se reinventar, desde que o jornalista esteja com a mente aberta para o novo, para a inovação, para a colaboração e se permitir experimentar. Muitas vezes, o jornalismo que fazemos na Amazônia Real é chamado de ‘local’, embora tenha abrangência nacional. Mas mostramos que esse jornalismo local acaba tendo uma perspectiva ampla e de impacto global extremamente significativa”, afirmou Elaíze Farias.

A agência de jornalismo, fundada em 2013, tem hoje mais de 7,3 milhões de leitores e seus conteúdos são lidos em mais de 180 países. O modelo de negócios da Amazônia Real é sem fins lucrativos com captação de recursos para sua sustentabilidade via doações de leitores na plataforma Catarse, realização de eventos, projetos e também de instituições que financiam o acesso à mídia como a Fundação Ford, a Aliança para o Clima e o Uso da Terra (Clua), a Open Society Foundations, o Observatório do Clima, entre outras. Leia mais aqui.

Os eventos em comemoração ao oitavo aniversário da Amazônia Real recebem o apoio financeiro do Programa de Apoio ao Jornalismo (PAJor), desenvolvido pela Repórteres Sem Fronteiras Brasil, e conta com a parceria institucional do Instituto Cultural Brasil e Estados Unidos (Icbeu) Manaus. Na ocasião, será lançada a hashtag #amazoniareal+8.

A programação começa na segunda-feira (18) com o bate-papo Amazônia devastada: ataques, desmatamento e queimadas em fotografias. Mediado por Alberto César Araújo – editor de fotografia da agência, os convidados são os fotógrafos Marizilda Cruppe, Cícero Pedrosa Neto, Bruno Kelly e Takumã Kuikuro. Durante 1 hora  e meia, eles irão conversar sobre os temas: as coberturas dentro dos territórios invadidos por madeireiros, garimpeiros, além de queimadas e desmatamentos. Também irão falar sobre o trabalho em pautas de risco como sobrevoar em regiões de conflitos e até mesmo apurar obedecendo aos protocolos sanitários da Covid-19.  

Dia 18/10 (segunda-feira): Amazônia Real + 8 | Amazônia devastada: ataques, desmatamento e queimadas em fotografias. 

Mediador Alberto César Araújo – editor de fotografia da Amazônia Real. 

Convidados: fotógrafos Marizilda Cruppe; Cícero Pedrosa Neto, Bruno Kelly e Takumã Kuikuro.  

10h às 11h30 em Manaus (11h às 12h30 em Brasília) no Youtube, Facebook e Twitter.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •