Abraham Bragança de Vasconcellos Weintraub. Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Metrópoles | Após receber críticas por comparar os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff à cocaína, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou às redes sociais para se explicar. Nesta sexta-feira (28/06/2019), o chefe da pasta afirmou ser bem-humorado. E disse ainda que postou o comentário no Twitter pessoal dele. “Caso queiram informação institucional, sigam o do MEC”, indicou.

“Ninguém é obrigado a me seguir ou ver o que escrevo, tem o link do MEC para isso. Tenho vida fora do trabalho”, justificou o ministro. Weintraub defendeu que a conta pessoal dele na rede social não é o Congresso, um lugar de debate. “Aqui, não quero gente chata e de esquerda (sim, há exceções). Pode ser chato (constantan e ‘isentinho’) ou petezinho (mas tem que ser engraçado)”, completou.

Por fim, Weintraub informou que assumiu o cargo de ministro para arrumar o “belo trabalho que o PT fez” e garantiu não fazer piada com o dinheiro “suado do pagador de imposto”.

Como cocaína
O ministro foi alvo de críticas ao comentar nas redes sociais a prisão do segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, preso ao desembarcar na Espanha com 39 quilos de cocaína em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB).

O chefe da pasta afirmou que o criminoso nada tem a ver com o governo Bolsonaro e ainda ironizou ao comparar os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff à droga apreendida.

Segundo o ministro da Educação, o avião presidencial já transportou quantidades maiores de drogas. “No passado, o avião presidencial já transportou drogas em maior quantidade. Alguém sabe o peso do Lula ou da Dilma?”, atacou.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •