Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Já é do conhecimento de todos que a cidade de Manaus passa por dificuldades econômicas, políticas e sociais. Mas a pior de todas as dificuldades é a falta de perspectiva da população.

O povo sofre com a pandemia, o desemprego, a fome e a falta de esperança. Tudo anda de mal a pior.

Não que eu seja pessimista, mas parece que a população de Manaus perdeu o gosto pela vida, a perspectiva em dias melhores.

Até quando a população suportará tudo isso pacificamente? Quando o povo tomará consciência do seu poder?

É preciso reagir. Não podemos ficar parados chorando “as cebolas do Egito”.

Visando conter o avanço da pandemia em Manaus, as autoridades locais tomaram medidas que prejudicaram muita gente, principalmente os trabalhadores do comércio formal e informal, os vendedores ambulantes.

Com o fechamento das lojas, shoppings, bares, academias, feiras, etc., milhares de trabalhadores foram demitidos e o governo ainda não tomou nenhuma medida para atender essa categoria de trabalhadores.

Até quando a população de Manaus suportará tudo isso pacificamente? Até quando o povo de Manaus suportará ficar em casa sem trabalho e sem nada para comer?

É preciso olhar urgente para a camada mais pobre da população. Tem muita gente passando fome nos bairros pobres de Manaus. O Auxílio Manauara de R$ 200 reais que a Prefeitura vai pagar para as famílias pobres já é um bom começo.

Mas convenhamos, o governo deveria criar um programa, a exemplo do Auxílio Emergencial, para ajudar a população a viver dignamente durante o tempo que durar essa pandemia.

Como disse, essa não é uma equação fácil, mas é preciso fazer alguma coisa. Não podemos assistir à população morrer de fome. Mas fiquem sossegados, não vou fazer apologia ao crime.

Quem me conhece sabe que eu sou o que se chama “um homem de boa atitude”, embora não esteja tão seguro se isso é uma credencial ou um agravante. Sei que sou dado ao diálogo até as últimas consequências.

No entanto, quando se esgotam todas as possibilidades de conversação é preciso radicalizar. Ou seja, é impossível ficar passivo quando se rouba aquilo que é mais sagrado para nós: a esperança.

Acorda Brasil!

Reage Manaus!

Luís Lemos

Filósofo, professor universitário e escritor, autor do livro: “Jesus e Ajuricaba na Terra das Amazonas”.
Instagram: @professorluislemos
Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC94twozt0uRyw9o63PUpJHg


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •