Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Caixa Econômica Federal libera, nesta terça-feira (8/6), saques e transferências da segunda parcela do auxílio emergencial de 2021 para trabalhadores que não fazem parte do Bolsa Família nascidos em maio. Esse grupo recebeu a parcela em poupança social digital no dia 21 de maio.

O pagamento da segunda parcela do auxílio para esse público terminou em 30 de maio. Para quem faz parte do Bolsa Família, os créditos foram até 31 de maio.

Os pagamentos da terceira parcela do benefício começam em 17 de junho para o público do Bolsa Família e, em 20 de junho, para os demais beneficiários.

Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial, pelo site auxilio.caixa.gov.br ou pelo https://consultaauxilio.cidadania.gov.br/.

Valores

O auxílio emergencial de 2021 é limitado a uma pessoa por família. Anteriormente, dois integrantes de um mesmo grupo familiar podiam se beneficiar, segundo legislação publicada pelo governo em abril.

O Ministério da Cidadania prevê o pagamento de quatro parcelas mensais de R$ 250.

Mulheres chefes de família monoparental, no entanto, terão direito a R$ 375, e indivíduos que moram sozinhos (ou seja, família unipessoal) receberão apenas R$ 150 mensais.

No ano passado, o governo pagou, em um primeiro momento, até cinco parcelas de R$ 1,2 mil a mães chefes de família e de R$ 600 ao restante dos beneficiários.

Esses valores foram reduzidos pela metade com o auxílio emergencial residual, que ajudou as famílias por mais quatro meses, até dezembro.

Auxílio condicionado à vacinação

Na última segunda-feira (7/6), após reunião no Palácio do Planalto, o presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Carlos Melles, afirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, garantiu que o auxílio emergencial e as medidas de apoio a empresas, como o Benefício Emergencial (BEm), serão mantidos até que toda a população seja vacinada contra a Covid-19.

“Hoje, ele [Guedes] colocou aquilo que a gente esperava: o auxílio vai até o rebanho [população] estar vacinado. Essa foi a colocação positiva e boa que dá uma certa tranquilidade. A nossa previsão [do Sebrae] é que no final de outubro, pelos estudos que fizemos, nós estaríamos com o rebanho vacinado”, disse Carlos Melles.

 

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •