Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Fabio Porchat, ator, comediante e apresentador, se revelou um cinéfilo dedicado e organizado em live no Instagram com a também artista Maria Zilda Bethlem, na quarta (16/9). No papo, o humorista disse já ter visto, durante a quarentena contra a disseminação do novo coronavírus, 130 filmes.

“Tenho anotado todos nomes que eu tenho assistido”, disse Porchat na conversa. “Gosto de história boa. Comecei a revistar filmes antigos porque, no fim das contas, a gente esquece”, explicou.

“Por exemplo, O Gladiador, de 2000, não lembrada de quase nada. A gente pode lembrar a história, mas não dos detalhes”, continuou o apresentador de Que História É Essa, Porchat?, programa de entrevistas do GNT. Dirigido por Ridley Scott, o longa foi a segunda maior bilheteria daquele ano (US$ 460 milhões) e venceu cinco estatuetas no Oscar, incluindo melhor filme e melhor ator (Russell Crowe).

Na conversa, Bethlem e Porchat também conversaram bastante sobre a falta de oportunidades e papéis interessantes para artistas da terceira idade. A veterana, de 66 anos, acumula vários trabalhos no cinema, como Bete Balanço (1984), e na televisão — recentemente, atuou em Pico da Neblina, série da HBO.

Porchat já tratou de garantir um jeito de não ficar desempregado quando estiver mais velho: “Escrevi uma peça para quando eu tiver 60 anos, para eu me dar emprego”. (Metrópoles)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •