Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Manacapuru (Por Elcimar Freitas e Mazinho Bezerra) – Enquanto em Manaus, o governador José Melo (PROS), candidato a reeleição ao governo, prega um investimento de milhões na segurança pública e que a violência diminuiu em todo o estado, a realidade dos moradores das comunidades da Vila do Jacaré e Caviana, de Manacapuru é outra bem diferente. Eles afirmam que estão tendo de pagar pedágios aos bandidos para caminhar nas ruas do local depois das 22 horas e ainda se submeterem ao toque de recolher.

"Não podemos mais andar nas ruas à noite com o risco de sermos assaltados", disse um morador a reportagem do Fato Amazônico, afirmando que nas duas comunidades existe hoje o toque de recolher. "Quem sai depois das dez horas da noite é vítima dos bandidos", disparou revoltado acrescentando que as pessoas que se ariscam a andar tarde da noite corre até risco de vida.

Policiais civis estiveram dois dias nas comunidades e ouviram os relatos dos moradores

A denúncia do toque de recolher e de que as comunidades estão tomadas pelos bandidos foi feita durante a "Operação Repiquete" realizada no dia 18 e 19 deste mês por policiais do 1ª Delegacia Interativa de Manacapuru, coordenador pelos delegados Antônio Rodrigues da Silva e Fabiano Rosas, na Zona Rural do município.

Os moradores informaram aos policiais que outro grande problema que as comunidades enfrentam hoje esta relacionado a iluminação pública. Na Vila do Jacaré, apenas as vias da frente da cidade existem lâmpadas nos postes, mas na tarde parte de trás é uma escuridão os bandidos aproveitam para atacar suas vitimas. "Como as ruas detrás não tem iluminação os bandidos aproveitam para atacar as vítimas que andam depois das 22 horas na rua", garantiu um morador.

Depois de ouvir as denúncias dos moradores policiais realizaram investigações de crimes noticiados nas comunidades e foram ouvidas várias pessoas vitimas de crimes, houve ainda o indiciamento de acusados e os investigadores apreenderam na operação armas, munições e produtos de crime ambiental.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •