Fotos - Divulgação / Ageman
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Controladoria Geral do Município (CGM) acompanhou, nesta semana, os testes de eficiência das lâmpadas a LED que estão sendo vistoriadas pela Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (Ageman), nos postes da iluminação pública de ruas e avenidas da capital amazonense. As inspeções passaram a integrar a auditoria de acompanhamento de gestão em todas as áreas da Prefeitura de Manaus, por determinação do prefeito David Almeida.

A vistoria desta quarta-feira, 15/4, foi realizada à noite nos bairros Redenção, Parque 10 de Novembro e São Jorge, com a participação de moradores, auditores da controladoria, engenheiros da Diretoria de Gestão Energética e Iluminação Pública da Ageman, além de funcionários da Manausluz.

O diretor de Gestão Energética e Iluminação Pública da Ageman, engenheiro Everaldo Leal, explica que os técnicos realizam testes das condições de luminosidade estabelecidas em norma técnica, aferindo a medida em “Lux” de uma determinada quantidade de pontos (15 a 20 pontos) marcados no próprio piso da via, numa área demarcada entre dois postes consecutivos, com uso de um luxímetro. Após as medições anotadas, calcula-se a média dos valores, sendo apurados os índices de iluminância média e o fator de uniformidade.

O primeiro é comparado com o valor mínimo previsto em norma para a classe da via, e o segundo avalia a distribuição uniforme da iluminação emitida pelas luminárias LED entre os dois postes, fator que sendo baixo, pode ser percebido na prática por meio do excesso de sombras entre dois postes, o que causa desconforto aos motoristas que trafegam pelas vias.

“Havendo não conformidade nos valores apurados, o projeto executado é reavaliado, podendo de forma geral, ocorrer a troca das lâmpadas por outras de maior potência”, afirmou o diretor.

Em ambas avaliações, são considerados o volume de tráfego de veículos e o fluxo de pedestres, itens de extrema importância, porque qualquer inconsistência apontada, significa que o projeto feito para atender aquela via não está nos padrões técnicos de qualidade exigidos pela norma e isso poderá causar desconforto e insegurança aos pedestres e condutores de veículos.

Conforme prevê o contrato de concessão da iluminação pública, as duas medições seguem as diretrizes da norma ABNT NBR 5101:2012 e são realizadas a partir de amostras aleatórias de pontos luminosos modernizados, baseadas numa quantidade definida contratualmente entre 150 e 200 pontos para cada 100 mil pontos modernizados.

O morador da rua 16 do conjunto Hileia, Claudemir Coêlho, fez questão de acompanhar a vistoria e destacou a importância do serviço para a segurança.

“Com a nova iluminação conseguimos visualizar a rua toda à noite, o que no passado era inseguro. Muitas vezes ao chegar em casa de carro, representava um risco para entrar e ver quem estava próximo a sua casa”, relatou o usuário.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •