Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A comunidade científica está novamente em alerta, depois de ter sido detectada em Botsuana, na África, uma nova variante da Covid-19 (B.1.1.529), com um número “extremamente alto” de mutações, que podem criar problemas ao sistema imunológico. Os especialistas acreditam que esta estirpe pode comprometer a eficácia das vacinas atualmente existentes, que não consegue responder tão eficazmente ao SARS-CoV-2.

A nova variante foi descoberta, no dia 11 de novembro, e já há 10 casos confirmados em três países e os cientistas dizem que pode haver mais casos por identificar. 

Na rede social Twitter, Tom Peacock, virologista do Imperial College em Londres, mostrou-se preocupado pelo número “extremamente alto” de mutações (32, ou seja, o dobro das mutações da variante Delta) na proteína spike,  que se liga à proteína ACE2 na superfície das células.  

“É realmente uma preocupação”, ressalta Ravi Gupta, professor de microbiologia clínica da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, ao The Guardian. 

Já François Balloux, diretor do Instituto Genético ICL, defende que, para já, “não há razão para ficarmos excessivamente preocupados”. O especialista crê que a variante possa  ter evoluído no organismo de uma pessoa com o sistema imunitário frágil ou que seja portador de HIV.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •