Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O delegado Paulo Martins, da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros, afirmou na tarde desta quarta-feira na apresentação de Messias Maia Sodré, preso em São Paulo, de Diego Bruno Moldes e Mário Jorge Nobre Albuquerque, que o caso do assassinato do delegado Oscar Cardoso, dia 9 de março deste ano, está esclarecido. Mas ele não explicou como os projéteis da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-Am), foram parar nas mãos dos bandidos.

Messias Sodré, preso em São Paulo, é apontado como autor de um dos disparos, mas ele nega

Projéteis esses, que o secretário de Segurança, Paulo Roberto Vital, chegou a desmentir o delegado Paulo Martins, em nota afirmando que não eram da SSP, mas depois voltou atrás e confirmou a informação que os projéteis da pistola PT 40 usadas pelos assassinos do delegado, foram comprados pela Secretaria de Segurança Pública.

A confirmação veio por meio de consulta feita ao fabricante das munições, a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), informou que as munições calibre ponto 40 S&W, marca CBC, pertencentes aos lotes AHY60 e ABO62, foram adquiridos pela SSP.

Diego Bruno, cunhado de Messias, seria o autor dos tiros que mataram Oscar Cardoso

E são nesses fatos que Paulo Martins, não tocou na apresentação dos acusados de cumpriram uma ordem do traficante João Pinto Carioca, o “João Branco”, ainda foragido, para executarem o delegado Oscar Cardoso.

Martins, também não revelou qual a participação no crime da sobrinha do delegado, Karina Cristina Pereira Nascimento, apontada pela polícia como a pessoa que indicou a localização de seu tio no dia do crime. O delegado apenas se limitou a dizer que o caso dela corre em uma investigação paralela.


Karina Cristina, sobrinha do delegado que foi presa em Santarém teria participação no crime

De acordo com o delegado só falta prender João Branco, e Marcos Pará, que também teria a participação no homicídio.

Messias, disse que apenas dirigiu o Gran Siena, usado no crime, mas de acordo com a polícia ele teria efetuado um disparo quando Oscar Cardoso, já estava caído no chão..

De acordo com Paulo Martins, outros dois participantes do crime identificados como “Marquinhos Eletricista” e “Maresia”, foram executados depois do crime.

Crime

O delegado Oscar Cardoso foi executado a tiros na tarde de 9 de março, na esquina entre as ruas Negreiros Ferreira e Carvalho Paes de Andrade, bairro São Francisco, Zona Sul de Manaus.

A polícia atribuiu a um grupo de criminosos comandado pelo traficante de drogas João Pinto Carioca, o “João Branco”, em represália ao estupro e extorsão da mulher do traficante, Sheila Maria Faustino Peres, sofreu em setembro do ano passado.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •