Aline Massuca/Metrópoles
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Rio de Janeiro – Chorando e visivelmente emocionado, o governador do Rio de Janeiro afastado, Wilson Witzel (PSC), pediu a palavra antes de ser interrogado por desembargadores e deputados estaduais no Tribunal Especial Misto (TEM), na tarde desta quarta-feira (7/4). Com informações de Metrópoles.

“Não deixei a magistratura para ser ladrão. O que estão fazendo com a minha família, a minha mulher, é cruel”, afirmou, ao abrir seu discurso no processo de impeachment do Tribunal de Justiça do Rio.

Witzel se defendeu e alegou que tinha confiança em Edmar Santos, ex-secretário estadual de Saúde e principal delator no esquema de propina do estado do Rio.

“Quem pagou os R$ 8 milhões em propina para o Edmar, que foram encontrados com ele, foi o patrão dele, o Edson Torres (empresário, réu no processo). Na versão do Edmar, eu determinava a OS (Organização Social) X , a OS Y. Ele tinha um patrão que pagou R$ 18 milhões de propina. Ele não devia obediência a mim. Era impossível saber. Só soube depois da investigação da Polícia Federal e da Polícia Civil “, contou.

“Terceiros pediram dinheiro em meu nome. Fizeram duas buscas e apreensões na minha casa e acharam somente bijuterias. O processo de impeachment é doloroso”, seguiu Witzel.

A defesa do governador do Rio afastado tentou adiar o julgamento por duas vezes.

Depoimento do delator Edmar Santos

Na manhã e no início da tarde desta quarta-feira (7/4), o ex-secretário Edmar Santos respondeu às perguntas do governador afastado, de deputados e desembargadores do TJRJ. Só com Witzel, o médico ficou 1 hora e 40 minutos entre réplicas e tréplicas.

Edmar Santos afirmou que, em duas ocasiões, avisou a Witzel sobre o esquema de propina envolvendo o pastor Everaldo.

“Todas as OSs (organizações sociais) são comprometidas com propinas. Avisei ao senhor duas vezes que o pastor Everaldo e o Edson Torres estavam passando dos limites, o que comprometeria o funcionamento dos hospitais”, afirmou Edmar.

Edmar contou ainda que Witzel determinou repasse de R$ 21 milhões para Volta Redonda, e de R$ 16 milhões para Barra Mansa, ambas cidades do Sul Fluminense, para atender interesses de Gothardo Netto (ex-prefeito de Volta Redonda, preso em agosto do ano passado).

Vídeo: Witzel explica o que o levou a destituir sua defesa horas antes do julgamento:


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •