O ex-secretário executivo da Susam, João Paulo Marques, preso temporariamente na ação da PF foi um dos beneficiados com a decisão do STJ
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Os mandados da Operação Sangria da Polícia Federal foram expedidos pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Francisco Falcão e levou temporariamente a prisão não apenas a secretária de Saúde, Simone Araujo de Oliveira Papaiz.

Na ação da PF na manhã desta terça-feira em Manaus ainda foram presos: João Paulo Marques dos Santos, ex-secretário executivo da Susam, Perseverando da Trindade Garcia Filho, ex-secretário do Fundo Estadual de Saúde, Alcineide Figueiredo Pinheiro, ex-gerente de compras da secretaria de saúde, Fábio José Antunes Passos, dono da FJAP Importadora, Cristiano da Silva Cordeiro, dono da Big Trading e Empreendimentos Ltda, Luciane Zuffo Vargas de Andrade, dona da empresa Sonoar e Renata de Cássia Dias Mansur Silva, sócia da Sonoar.

A operação foi solicitada pela PF, com concordância quase integral da subprocuradora-geral da República Lindora Araújo, responsável pelo caso na Procuradoria-Geral da República (PGR).

A PF, entretanto, havia solicitado a prisão temporária do governador Wilson Lima, mas a PGR se posicionou contrariamente ao pedido. O ministro Falcão indeferiu o mandado de prisão contra Wilson Lima.

COVIDÃO: Secretária de Saúde do Amazonas é presa na Operação Sangria da Polícia Federal


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •