Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Vivemos num mundo tão atribulado, mas tão atribulado que quase não temos tempo para nos ocuparmos com o que realmente importa: a nossa saúde, o nosso bem-estar, a nossa felicidade. Para que a nossa vida não se instrumentalize, precisamos dedicar tempo a nós mesmos. Só assim teremos tempo para dedicar tempo a arte, a poesia, a literatura, a dança, ao belo, ao amor… 

Quando fazemos aquilo que amamos; quando vivemos novas e sinceras emoções; quando dizemos para a pessoa amada: “eu te amo”; quando não colocamos censura sobre o que pensamos, sobre o que sentimos, sobre o que dissemos; quando somos gratos pelas vitórias, pelas derrotas; quando tudo isso acontece, o sublime vem e faz morada em nossa vida. 

O êxtase, a felicidade, a empatia, é sempre resultado de muita dedicação. É como um atleta olímpico, a conquista da medalha nunca é por acaso, é sempre resultado de muito treinamento. Não se chega ao pódio olímpico de uma hora para outra. Precisa-se de muita força de vontade. A mente, quanto está em perfeito estado, contribui bastante para o sucesso do atleta. 

Não responda para mim, mas responda para você mesmo: quanto tempo faz que você não se deixa envolver por algo realmente significativo na sua vida? Quanto tempo faz que você não segue o seu coração? Por que você não faz aquilo que gostaria de fazer? O que lhe impede de ser feliz? 

Talvez, prezado leitor, prezada leitora, você me ache inoportuno, mas eu preciso fazer mais algumas perguntinhas para você: Quais são os seus sonhos? Quais são os seus desejos? O que, hoje, arrebata o seu coração? Seria visitar um amigo? Um parente? Conseguir um emprego? Mudar de cidade? Estudar no exterior? 

O fim último da vida humana é a felicidade. Tudo o que vivemos, pensamos, fazemos e somos é para sermos felizes. Quem não quer ser feliz nessa vida? De acordo com o filósofo grego Aristóteles: “A felicidade é o sentido e o propósito da vida, o único objetivo e a finalidade da existência humana”. 

Qual o caminho para a felicidade? Repetindo o filósofo de Estagira, ele dizia que: “A felicidade consiste em ações perfeitamente conformes à virtude, e entendemos por virtude não a virtude relativa, mas a virtude absoluta. Entendemos por virtude relativa a que diz respeito às coisas necessárias e por virtude absoluta a que tem por finalidade a beleza e a honestidade”.  

Nesse mesmo sentido, na busca pela felicidade, o evangelista Marcos, especialmente do capítulo 9, versículo 23, também apresenta uma pista para a nossa felicidade, quando diz que: “Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê”. Quem tem fé, nunca vacila. A fé é a rocha onde o homem religioso ancora os seus pensamentos. Sem fé nem os dentes escovamos. Sem fé, não sobreviveremos nesse vale de lágrimas, ou oceanos de dementes e hipócritas.  

A fé vale para tudo na vida. Vale para todas as pessoas. Vale para quem é crente e para quem é ateu. Quando temos fé, “tudo é possível” como disse o Evangelista Marcos. A fé nos livra de sermos vítimas de nós mesmos, da infelicidade. 

Por fim, sem fé nos adaptamos ao materialismo, as miudezas da vida, sem fé somos infelizes. A fé salva. A fé é o êxtase do crente. Sem fé nos acostumamos a viver sem alma. Você tem fé? Qual é a importância da fé na sua vida?  

Luís Lemos é filósofo, professor universitário e escritor, autor do livro: “Jesus e Ajuricaba na Terra das Amazonas”. Para comprar este livro acesse o link https://www.amazon.com.br/Jesus-Ajuricaba-Terra-Das-Amazonas/dp/168759421X ou na Livraria Nacional, no Centro de Manaus. Para apoiar o nosso trabalho no YouTube, faça sua Inscrição no Canal https://www.youtube.com/channel/UC94twozt0uRyw9o63PUpJHg 


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •