Foto: Paulo Whitaker
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A inadimplência no Bradesco está sob controle apesar da decisão do banco de fazer uma provisão extra de 1 bilhão de reais no primeiro trimestre para amortecer os efeitos da pandemia coronavírus, afirmou nesta quarta-feira o presidente-executivo, Octavio de Lazari.

Ele disse a analistas que o banco provavelmente encerrará 2021 com entre 15 bilhões e 16 bilhões de reais em provisões para perdas com empréstimos, quase o ponto médio da perspectiva anual divulgada em fevereiro.

“Estou muito positivo com a recuperação econômica do Brasil nos próximos meses”, disse o executivo após ser repetidamente questionado sobre a qualidade do crédito do banco em meio a uma segunda onda brutal da pandemia na maior economia da América Latina.

O Bradesco, o segundo maior banco privado do país, divulgou na terça-feira à noite um aumento de 73,6% no lucro do primeiro trimestre, uma vez que suas provisões para perdas com empréstimos caíram 41,8% em relação ao ano anterior. Com muitos bancos não conseguindo recuperar empréstimos, o banco decidiu aumentar sua provisão em 1 bilhão de reais.

Por volta de 14:30, as ações preferenciais do Bradesco subiam 0,4%, a 23,90 reais, após terem oscilado entre a máxima de 24,02 reais e a mínima de 23,14 reais, em desempenho sempre mais fraco do que o Ibovespa e dos papéis de seus pares do setor privado.

O índice de inadimplência 90 dias do banco atingiu 2,5%, alta de 0,3 ponto percentual ante os três meses anteriores, afetado principalmente por pequenas empresas e pessoas físicas.

O indicador provavelmente aumentará até o final de 2021, mas para níveis pré-pandêmicos, acrescentou Lazari, já que a extensão de prazos para a quitação de empréstimos está mantendo a inadimplência em níveis anormalmente baixos. Ele disse que as provisões feitas no ano passado devem ser suficientes para cobrir o aumento esperado.

Com a redução do tráfego em suas agências devido à pandemia e a competição com novas empresas financeiras pesando na receita de tarifas do Bradesco, Lazari disse que o banco trabalhará para reduzir os custos operacionais em pelo menos 5%.

O fechamento ou redimensionamento de 300 a 400 agências este ano está entre as medidas a serem tomadas para atingir essa meta, disse o executivo. O Bradesco encerrou março com 3.312 agências, mais de 1.000 unidades há menos de um ano. (Istoé)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •