Post do juiz Luis Carlos Valois domingo (14) no twitter dizendo que não treina jiu-jitsu há 4 meses rendeu muitos comentários
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O juiz de direito, Luis Carlos Valois, após o presidente Bolsonaro sugerir a simpatizantes que deveriam “invadir” os hospitais para saber se estavam com seus leitos ocupados com doentes do covid-19, escreveu, dia 12, na sua conta do twitter, o seguinte:

“Tô sem treinar jiu-jitsu há mais de 1uatro meses, sem companhia, acho que vou estacionar o carro na frente de um hospital esperar um mininon tentar entrar”.

Pra que?

Além de impiedosamente bombardeado com enxurrada de insultos, zoado e caçoado por uma legião de bolsominions (confira comentários clicando no link https://twitter.com/LuisCValois/status/1271615226199314436?s=19),Luis Carlos Valois não terá nenhuma dificuldade de escolher o adversário.

Maurizio Spinelle, por exemplo, que aparece como ex-secretário de segurança do Rio de Janeiro e se denomina, de acordo com o perfil dele, como de direita, cristão, armamentista e conservador, está entre centenas de candidatos que toparam encarar Valois porrada.

“Boa tarde, excelência. Se não incomodar com a diferença de idade, me coloco a disposição”.

Luis Carlos Valois até que tentou minimizar e escreveu: “Por que quando a gente fala a palavra “minion” o bolsonarista pensa que é com ele”? De nada adiantou.

Antes mesmo de escolher o adversário e o local combinado para mostrar as suas habilidades de Jiujiteiros faixa preta, Valois já pegou muita porrada.

“É só marcar e estarei no local. Os bravateiros costumam ser os mais covardes. Marca ai. Por enquanto nos propomos a encontrá-lo onde quiser. Mais tarde, poderemos ir buscá-lo em casa”, Paulo Pavesi

“Estou aguardando, vou correr com a camisa do Bolsonaro na Ponta Negra das 6:00 até às 7:30 geralmente pego a estrada do turismo, fica a dica não me escondo atrás de rede social”, James show

Mesmo sem recuar da proposta de enfrentar Valois, Maurizio Spinelli fez uma alerta aos mais afoitos:   

“Por mais que discorde antagonicamente dos posicionamentos dele, posso afirmar que o magistrado foi um grande competidor da equipe Carlson Gracie. A César o que é de César. Mesmo assim, o convite permanece”.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •