Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), avalia como “surreal” a forma como as queimadas na Amazônia são retratadas. O general, que também é presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal (CNAM), minimizou o problema ao afirmar, nesta quinta-feira (27/8), que a proporção de focos de incêndio por área é de um a cada 200 km².

“No dia 26 de agosto, nós tínhamos, até aquele dia, 24 mil focos de calor na Amazônia. Ora, minha gente, 24 mil focos de calor em 5 milhões de km² significa que a cada 200 km² você encontra um foco. É surreal a forma como isso é colocado para as pessoas, como se a floresta inteira estivesse pegando fogo e ardendo. Desse 24 mil, 17% são legais. O resto ilegais: terras públicas, unidade de conservação e terras indígena. Nós sabemos muito bem onde está ocorrendo e quais são os municípios e é pra isso que estamos com a operação Verde Brasil”, destacou, citando operação com militares das Forças Armadas na região.

A proporção de queimadas em 2020 é 20% menor na comparação com o mês de agosto do ano passado, quando foram cerca de 30 mil focos de incêndio na região amazônica. Em 2019, porém, as queimadas no bioma aumentaram 196% e atingiram 30.091 caos, ante os 10.421 de 2018, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Ou seja, em 2020, a quantidade ainda é 150% superior à de dois anos atrás. (Metrópoles)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •