Compartilhe

Chegamos ao final do ano com os sentimentos de gratidão e esperança. Gratidão, em primeiro lugar, pela saúde, pelo trabalho, pela família, pelos amigos, pelos vizinhos, pelo meio ambiente, pelo ar nos pulmões, pela força e pela esperança. 

Em segundo lugar, gratidão pela fé, pela paciência, pela sabedoria e pela coragem de lutar por um mundo melhor e mais justo para todos. Gratidão pela vida, por estarmos vivos, por termos sobrevividos 2021. Quantos não ficaram pelo caminho?  

Infelizmente, o coronavírus ceifou a vida de dezenas, centenas, milhares de pessoas no Brasil e no Mundo. Seres humanos maravilhosos foram levados para outro plano, não estão mais aqui conosco fisicamente para celebrar o Natal.  

Então, vamos celebrar esse Natal por eles e para eles. Celebrar o Deus da vida. Que nesse Natal você possa se arrebatar de todo pensamento mesquinho sobre à vida e que em 2022 você seja mais alegre, amoroso e grato a Deus por tudo e por todos.  

Dezembro é o mês da esperança. Tempo de celebrar Aquele que nos concede à vida. Sem Ele nada somos. Sem Ele nada temos. Deus é tudo em nossa vida. O projeto de Deus para nós é que sejamos pessoas felizes, saudáveis, acolhedoras, solidárias e santas. 

Ser feliz é o fim último da nossa vida. Mas como ser feliz num mundo onde há tanta dor, sofrimento, morte? Como ser feliz num mundo onde há tanto fanatismo, tantas ideologias? Num mundo onde ter dinheiro é mais importante do que ser verdadeiro? O que podemos esperar do futuro? 

Existe uma parte imensa de homens e mulheres que lutam por um mundo melhor, justo, ético e igual para todos. Eu também faço parte desse grupo, comungo dessa mesma expectativa: de que a humanidade pode seguir pelo caminho da verdade, do amor, da solidariedade, do bem e da justiça. 

A minha vida, toda ela, é marcada pela verdade, pelo amor, pela esperança. Pela certeza de que “Deus faz nova todas as coisas”. Pela certeza de que nenhum problema é maior do que a nossa capacidade de superá-lo. Pela certeza de que aqueles que colocam sua fé em Deus são cheios de esperança. 

Quanto à minha fé, acredito no Deus da vida. Num Deus que acolhe. Num Deus que não faz acepção entre as pessoas. Num Deus que torna forte quem é fraco. Quem é triste, Ele torna alegre. Quem é derrotado, Ele torna vitorioso. Quem é medroso, Ele torna corajoso. Eu acredito num Deus que nos proporciona a esperança de uma vida melhor. 

Todos nós, brasileiros, sabemos que o país não anda nada bem. Vivemos tempos difíceis na economia, na política e na democracia. Mas nunca podemos perder a esperança de dias melhores. Não existe crise, seja ela qual for, que dure para sempre. Vamos superar tudo isso e vamos construir uma nação forte e soberana, com menos problemas sociais e econômicos. 

Quem é cristão sabe que esperança não é apenas um anseio vago por um tempo melhor. A esperança para quem tem fé é uma expectativa forte e confiante, baseada nas promessas divinas com a certeza de que aquilo que esperamos será alcançado, porque Deus é infalível em suas promessas. 

Eu tenho esperança de que haverá uma grande mudança no Brasil em 2022. Tenho certeza de que a população brasileira saberá, à luz da sabedoria, escolher governantes que pensem mais no todo e menos no particular. Por fim, que nunca esqueçamos o que disse Jesus: “O ladrão vem somente para roubar, matar, e para destruir; Eu vim para que tenham vida, e vida em abundância” (João 10:10). 

Luís Lemos é filósofo, professor universitário e escritor, autor, entre outras obras, de Filhos da Quarentena: A esperança de viver novamente, Editora Viseu, 2021. Para comprar o livro do professor Luís Lemos acesse o link https://www.eviseu.com/pt/livros/2508/filhos-da-quarentena/ Para segui-lo, inscreva-se no seu canal https://www.youtube.com/channel/UC94twozt0uRyw9o63PUpJHg


Compartilhe