Foto: REUTERS/David Gray/File Photo
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A China testou uma arma hipersônica em julho com uma tecnologia que permitia disparar um míssil de um veículo planador a uma velocidade cinco vezes superior à velocidade do som – capacidade que nenhum país demonstrou até hoje, informou o jornal britânico Financial Times neste domingo, 21.

O avanço permitiu à China lançar um artefato com o chamado veículo planador hipersônico acoplado, uma espaçonave manobrável que viaja muito rápido e pode carregar uma ogiva nuclear ou normal.

No teste, ao atingir determinada altura, o míssil balístico se separou do veículo planador e conseguiu manobrar e atingir velocidade hipersônica durante o voo sobre o Mar do Sul da China, um território disputado e palco de tensões geopolíticas.

Especialistas da Darpa, a agência de pesquisa avançada do Pentágono, permanecem sem saber como a China superou as restrições da física disparando mísseis de um veículo viajando a velocidades hipersônicas. 

Analistas do Pentágono acreditam que o projétil era um míssil ar-ar. Outros dizem que foi um foguete de contramedida, que seria usado para destruir os sistemas de defesa antimísseis de outros países para que eles não pudessem abater a arma hipersônica em ação.

Tanto a Rússia como os EUA têm desenvolvido armas hipersônicas há vários anos, mas a tecnologia chinesa é, de acordo com os especialistas ouvidos pelo Financial Times, muito mais desenvolvida do que a do Kremlin ou do Pentágono.

“Este desenvolvimento é preocupante, como deveria ser para todos os que procuram a paz e a estabilidade na região e além dela”, declarou ao jornal um porta-voz do Conselho Nacional de Segurança dos EUA. “Isto tem também que ver com a nossa preocupação sobre qual a capacidade militar da República Popular da China.”

O veículo hipersônico que disparou o míssil foi projetado no espaço a partir de um sistema de bombardeio orbital que consegue sobrevoar o Polp Sul. Este é também um ponto que preocupa os especialistas norte-americanos, porque permitiria a Pequim evitar as defesas dos mísseis dos EUA, que geralmente estão voltadas para mísseis que vêm do Polo Norte.

Embora os mísseis de hipervelocidade tenham provado que que podem voar a velocidades nunca alcançadas e eventualmente cobrir as distâncias pretendidas com manobras, alguns deles erraram o ponto de impacto por até 40 km – caso do sofisticado planador nuclear da China, que precisa do apoio de um foguete pesado no lançamento. 

O que são as armas hipersônicas da China 

Existem dois tipos de armas hipersônicas. O primeiro é um míssil altamente manobrável, impulsionado por um motor. O segundo é um veículo planador.

Em 2019, a China testou pela primeira vez com sucesso o Xingkong-2 (“Céu Estrelado-2”), uma aeronave hipersônica não tripulada que viajou, segundo o governo chinês, a 7.344 quilômetros por hora. Ou seja, seis vezes mais rápida que a velocidade do som, capaz de dar uma volta completa na linha do Equador em menos de duas horas.

O veículo planador hipersônico (HGV) é uma espaçonave – não muito diferente do ônibus espacial – que é lançada em órbita em um foguete. Em seguida, ele entra novamente na atmosfera e voa em direção ao seu alvo a mais de cinco vezes a velocidade do som.

O sistema de bombardeio orbital dá à China mais maneiras de atingir os alvos americanos. Moscou implementou um sistema chamado “sistema de bombardeio orbital fracionário” durante a Guerra Fria, mas era menos avançado e não possuía um veículo planador hipersônico manobrável.

O teste hipersônico ocorre no momento em que a China expande rapidamente suas forças nucleares, de uma forma que sugere que está abandonando a postura de “dissuasão mínima” que manteve por décadas. Os EUA disseram recentemente que os chineses quadruplicariam suas ogivas nucleares para pelo menos 1.000 nesta década. A embaixada chinesa disse que “não estava ciente” do teste do míssil.

“Não estamos absolutamente interessados ​​em uma corrida armamentista com outros países”, disse Liu Pengyu, o porta-voz da embaixada. “Nos últimos anos, os EUA têm inventado desculpas como ‘a ameaça da China’ para justificar a expansão de suas armas e o desenvolvimento de armas hipersônicas.”

Pequim rejeitou a primeira divulgação do FT do teste de armas hipersônicas, dizendo que era, em vez disso, um teste de um veículo espacial reutilizável. Mas um teste daquele veículo espacial ocorreu 11 dias antes do teste das armas hipersônicas, de acordo com pessoas familiarizadas com os dois lançamentos. O FT também informou que a China realizou outro teste de armas hipersônicas em 13 de agosto.

O general David Thompson, vice-chefe de operações espaciais da Força Espacial dos EUA, disse que os americanos “não estão tão avançados” quanto a China ou a Rússia em armas hipersônicas.

“Temos que recuperar o atraso muito rapidamente. Os chineses têm um programa hipersônico incrivelmente agressivo há vários anos ”, disse Thompson ao Halifax International Security Forum no sábado.

O general Mark Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, chamou recentemente o teste de armas de um “momento Sputnik”, uma referência à União Soviética ter se tornado a primeira a colocar um satélite no espaço em 1957. (Estadão)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •