Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

“O que não for dito não será curado. Porque todo processo terapêutico tem o seu início no momento em que tentamos dizer o que nos oprime”. Partindo da frase do padre Fábio de Melo, eu quero dizer uma coisa para vocês: ser pai não é para os fracos, é um chamado de Deus, vocação! 

Não sei se aconteceu com vocês. Mas quando eu era adolescente achava o meu pai muito chato. Mas na medida em que fui crescendo e as responsabilidades foram aumentado, fui entendendo melhor o meu pai e o porquê de ele agir daquela maneira com os filhos.  

Ele casou-se muito jovem. Teve dez filho. Um seguido do outro. Na sua época a medicina não era tão avançada como é hoje. Preservativo, anticoncepcional, não existiam. Meu pai vivia para criar os filhos. Trabalhava dia e noite, noite e dia para sustentá-los. Nunca nos deixou passar fome. 

Quanto à educação, ele sempre dizia: “Filho meu não fica sem estudar”. Meu pai era um homem muito simples, nunca frequentou a escola, não sabia ler e nem escrever, mas reconhecia a importância da educação na vida dos filhos.  

Lembro-me que um dia acordei com preguiça de ir para a escola, coisa de criança. Argumentei que estava doente. O meu pai percebendo o meu intento, disse-me: “Luís, vá para a escola senão você vai acabar assim como eu, trabalhando na roça. Você quer isso para a sua vida?”.  

Eu, como toda criança que pensa enrolar os mais velhos, disse-lhe: “Sim papai, eu quero ser igualzinho ao senhor”. Mas ele, com toda a sabedoria de um pai amoroso e sábio, respondeu-me: “Tudo bem filho, você não quer ir para a escola hoje, então vamos para à roça comigo”.  

A preguiça passou na hora! E ele completou: “É na escola que está o seu futuro filho. Estude para não acabar assim como eu”.  

Meu pai não conhecia a pedagogia renovada, muito menos ainda Paulo Freire. No entanto, ele tinha umas frases dignas de um grande pensador contemporâneo. “Quem não estuda acaba servindo de burro de carga para os outros”; “Quem tem oportunidade de estudar e não estuda merece ser escravizado”. Mais ainda. Antes de saímos para a escola, ele sempre repetia: “Comam bem. Com barriga vazia não se aprende nada”. 

Com o meu pai eu aprendi o que é ser responsável, ter compromisso, respeito mútuo, solidariedade, ética, justiça. Ele tinha uma frase que eu gostava muito de ouvir. “Nunca deixe ninguém te esperando. Antecipe-se”. E completava: “Cumpra com a sua palavra, custe o que custar. Seja simpático e não antipático”. 

Ser pai nunca foi fácil. É mesmo uma vocação. Foi assim na época do meu pai, é assim nos dias atuais. No entanto, não podemos deixar de frisar que a tecnologia tornou-se um desafio a mais, que vem contribuindo na mudança do comportamento dos filhos, na relação e na convivência entre pais e filhos. 

Infelizmente, hoje em dia, muitos filhos não ouvem mais os seus pais, preferem seguir o que dizem os “amigos”, os influenciadores digitais, os ídolos, do que os mais velhos, os tios, os avós, os professores, etc. Com efeito, alertamos: é preciso que os pais assumam suas responsabilidades, não tenham medo de ser chamados de chato, a birra juvenil passa, enfim, é preciso que os pais de hoje chamem para si à responsabilidade da paternidade. 

O verdadeiro pai não é aquele que cria, e sim aquele que ama, cuida, educa, prepara para à vida. Que respeita e incentiva o sonho dos filhos. Que apoia, acolhe e ouve as suas angústias. Que se alegra com as pequenas conquistas, com a nota azul na escola; que leva o filho ao médico…   

Eu aprendi com o meu pai, João de Oliveira da Silva, o “Seu” Tito, que o melhor pai do mundo é aquele que ensina pelo exemplo. Hoje eu sou pai de um filho adolescente e ele também me acha muito chato. E o que eu penso de tudo isso? É a genética. Tal pai, tal filho, assim espero! 

Luís Lemos é filósofo, professor universitário e escritor, autor do livro: “O primeiro olhar – A filosofia em contos amazônicos”.  Para comprar este livro acesse https://www.hotmart.com/product/o-primeiro-olhar-a-filosofia-em-contos-amazonicos/A57667257B Para seguir o Professor Luís Lemos escreva-se no seu Canal https://www.youtube.com/channel/UC94twozt0uRyw9o63PUpJHg 


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •