Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Em nota distribuída a imprensa na quarta-feira (18), o governador Wilson Lima (PSC) se manifestou a respeito do novo pedido de impeachment, protocolado na última terça-feira (17) na Assembleia Legislativa do Estado, ele disse que mais uma vez, a iniciativa está contaminada pelo processo político-eleitoral.

O governador diz ainda na nota que grupos políticos de oposição coordenam uma campanha caluniosa e difamatória, na tentativa de desacreditar o trabalho que vem sendo conduzido de forma acertada pela administração estadual no enfrentamento da grave crise sanitária provocada pela pandemia de Covid-19.

De acordo com Wilson Lima, o aditamento feito, com novos documentos protocolados, nada acrescentam ao pedido de impeachment já arquivado pela Assembleia Legislativa do Estado, quando ficou comprovado que as acusações não tinham o menor fundamento jurídico.

Entenda o Caso

Mais um pedido de impeachment de Wilson Lima e do vice Carlos Almeida (PTB) chegou à Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam). As denúncias por crime de responsabilidade foram encaminhadas à Aleam na terça-feira, 17/11, e lidas no expediente da sessão plenária da quarta.

As duas denúncias, uma contra o governador e outra contra o vice são de autoria de Inácio Guedes Borges, presidente do Conselho Regional de Administração (CRA/AM), e de Francisco de Assis Mourão Júnior, presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon/AM).

No novo pedido, os autores da denúncia destacam novas informações obtidas por meio das investigações da Polícia Federal (PF) na primeira e segunda fase da Operação Sangria.

Impeachment arquivado

O primeiro pedido de impeachment, de autoria do presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Mário Vianna, foi encaminhado a casa legislativa no dia 21 de abril deste ano, mas foi arquivado.

No início de agosto, a maioria dos deputados estaduais votou pelo arquivamento do processo de Impeachment do governador Wilson Lima (PSC) e do vice Carlos Almeida (PTB). Foram 12 votos a favor do arquivamento das denúncias, 6 pelo prosseguimento das denúncias 5 abstenções e uma ausência.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •