Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, não resistiu às pressões de líderes do Congresso, que reclamavam do desempenho da pasta durante a pandemia, e pediu demissão ao presidente Jair Bolsonaro em encontro no fim da manhã desta segunda-feira (29/3). Ele segue no Palácio do Planalto. Com informações de Metrópoles e R7.

Após ser duramente criticado pelos embates diplomáticos com a China, e pela incapacidade de conseguir desfecho mais rápido nas negociações com países como a Índia, Araújo não conseguiu resistir à cobrança dos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Diferentemente de pastas como a da Saúde e da Educação, nas quais já foram nomeados quatro titulares em cada uma, a pasta das Relações Exteriores estava com Araújo desde o começo da administração, em 2019. Mas a coleção de polêmicas e os recentes embates com senadores tornaram a permanência dele insustentável.

A saída mais recente foi anunciada há duas semanas, quando Eduardo Pazuello foi substituído pelo médico cardiologista Marcelo Queiroga no Ministério da Saúde. Ele foi o quarto a assumir a pasta em um ano de pandemia do novo coronavírus.

No ano passado, outros oito ministros deixaram o governo do presidente Jair Bolsonaro. Saíram Gustavo Canuto (Ministério do Desenvolvimento Regional), Osmar Terra (Ministério da Cidadania), Luiz Henrique Mandetta (Ministério da Saúde), Sergio Moro (Ministério da Justiça e Segurança Pública), Nelson Teich (Ministério da Saúde), Abraham Weintraub (Ministério da Educação), Carlos Decotelli (Ministério da Educação) e Marcelo Álvaro Antônio (Ministério do Turismo).

Em 2019, o governo trocou Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência da República), Ricardo Vélez (Ministério da Educação), Santos Cruz (Secretaria de Governo do Brasil) e Floriano Peixoto (Secretaria-Geral da Presidência da República).

Para a pasta da Cidadania, assumiu o deputado federal João Ribeiro Roma (Republicanos-BA). O ministério é considerado estratégico por muitos partidos por ser o responsável pelo programa Bolsa Família e pelo auxílio emergencial.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •