Em Manacapuru, o vereador Gerson D'Angelo (no detalhe), primo do prefeito, foi advertido por entrar sem máscara na escola municipal e pediu o afastamento do diretor
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O juiz David Nicollas Vieira Lins, de Manacapuru, deferiu parcialmente pedido do Ministério Público, determinando que o professor Jackson Azevedo Souza, reassuma a direção da Escola Municipal Zoraida Ribeiro Alexandre, em Manacapuru (a 86 quilômetros de Manaus).

Em sua decisão, o magistrado entendeu que o vereador, além de se recusar a cumprir o protocolo de segurança com o uso de máscara, agrediu verbalmente o gestor da escola, o vigia e outros servidores que se encontravam na escola.

O professor havia sido afastado pelo secretário de Educação do município Raimundo Conde por ter advertido o vereador Gerson D’Angelo, primo do prefeito Beto D’Angelo, por não usar máscara dentro da escola.

Vereador Gerson D’Angelo, sem máscara, e seu primo o prefeito de Manacapuru Beto D’Angelo (Foto Facebook)

A promotora Tânia Maria de Azeved, da 2ª Promotoria de Justiça de Manacapuru, recorreu à Justiça pedindo a anulação do ato administrativo que afastou o professor da direção da escola.

Para justificar o afastamento do professor, Raimundo Conde, determinou a abertura de sindicância sobre os fatos ocorridos no dia 25/05, quando, nas dependências o vereador Gerson D’Ângelo, adentrou no recinto sem máscara.

“O Ministério Público entende que a Justiça foi feita. Vamos continuar apurando os fatos por meio dos procedimentos que tramitam na Promotoria de Justiça, bem como acompanhando a sindicância em trâmite na Secretaria de Educação. O professor volta a exercer a função de gestor da escola e vai continuar respondendo à sindicância porque acreditamos que é do interesse dele também que todos os fatos sejam apurados”, relatou a promotora.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •