Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Na manhã desta quinta-feira (21), estudantes da Centro Educacional de Tempo Integral Gilberto Mestrinho, no bairro Educandos, realizaram protesto para denunciar assédio do professor de matemática, Benedito L. M. Alunos relatam que o professor tem comportamento inadequado há mais de 7 anos e que as atitudes são encobertas pela gestora, irmã do acusado. A SEDUC já comunicou o afastamento do professor.

O caso veio à tona quando a responsável de uma das alunas denunciou o caso a polícia na quarta-feira (20). Após a denúncia o professor teria ido na sala de aula onde a aluna estudava e afirmado que ‘sua mulher o satisfazia sexualmente e que ele não precisava disso’.

O protesto que tinha a presença de pais e alunos, contou com veículos de comunicação registrando a ação e diversos cartazes, um deles com a frase: “A escola tolera assédio mas não tolera 10 minutos de atraso”

Segundo relato de uma das alunas vítima do assédio à Agência Brasil de Notícias, em uma situação quando ela pediu para ir ao banheiro, o professor teria passada a mão na sua bunda e toda vez que abraçava colocava a cabeça no seio das meninas.

Além do afastamento do professor, alunos, pais e professores também pedem o afastamento da gestora da escola, Benedita Monteiro, por ser irmã do professor e ser ciente dos assédios.

Em nota, a SEDUC afirmou que o professor foi afastado do cargo:

“A Secretaria de Educação informa que o professor em questão foi afastado e que está providenciando um substituto. A pasta destaca, ainda, que foi instaurado um processo administrativo para apurar o caso”.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •