Foto: Evandro Seixas
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Após denúncia de garimpo ilegal na foz do Rio Cauburis, entre os municípios de Santa Isabel do Rio Negro (distante 630 km de Manaus em linha reta) e Barcelos (399 km), dentro de Terras Indígenas Rio Negro I e II, o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado Roberto Cidade (PV), encaminhou pedido ao superintendente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) no Amazonas, Carlos Eduardo de Oliveira, e ao secretário de Estado de Segurança Pública (SSP-AM), Coronel PM Louismar Bonates, solicitando informações e providências quanto ao problema.

“O garimpo ilegal em nosso Estado não é algo novo e não será resolvido de maneira fácil. Mas a atuação destes infratores causa preocupação não somente pela agressão ao meio ambiente, mas também pela possibilidade de contágio dos indígenas pelo coronavírus e suas variantes”, destacou Cidade.

De acordo com o parlamentar, caso os indígenas sejam contaminados com a doença, muitos podem vir a óbito e até causar a extinção de etnias, considerando a distância e dificuldade de deslocamento para tratamento médico adequado.

Por isso, a preocupação em saber como as autoridades competentes tratam o assunto, a fim de evitar maiores prejuízos ao meio ambiente e aos indígenas.

“O garimpo ilegal está sendo realizado, desde os primeiros dias do mês de Abril. Os meios de comunicação repercutiram nesta semana a denúncia realizada pela Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn) ao Ministério Público Federal. Não podemos permitir que os infratores continuem impunes”, pontuou o presidente do Poder Legislativo.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •