Foto: Arthur Castro
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Ministério da Saúde recomendou, por meio de nota técnica publicada nesta quarta-feira (24/2), que estados e municípios reservem a segunda dose das vacinas Coronavac, do Instituto Butantan, que chegaram ao país durante a manhã.

O Brasil recebeu 1,2 milhão de doses do imunizante e outras 2 milhões de unidades da fórmula de Oxford/AstraZeneca. O quantitativo do fármaco do Butantan deve ser utilizado com parcimônia pelos estados e municípios, pois deverá ser destinado à aplicação das duas doses da vacina, conforme alertou a pasta federal da Saúde.

De acordo com o ministério, o intervalo de duas a quatro semanas entre a aplicação das doses deve ser respeitado, e gestores da saúde devem considerar, ao vacinar a população, que “ainda não há um fluxo de produção regular do imunizante” no Brasil, buscando “evitar prejuízos”.

“Considerando que ainda não há um fluxo de produção regular da vacina, orienta-se que a D2 [dose 2] seja reservada, para garantir que o esquema vacinal seja completado dentro desse período, evitando prejuízo nas ações de vacinação”, ressaltou a pasta.

Sobre a vacina de Oxford/AstraZeneca, o ministério afirmou que a remessa recebida corresponde apenas à entrega da primeira dose. O órgão federal esclareceu ainda que as unidades referentes à segunda aplicação serão entregues posteriormente, respeitado o intervalo de 8 a 12 semanas entre as duas doses.

“Ressalta-se que o quantitativo correspondente a D2 da vacina AstraZeneca/Fiocruz será distribuída às UFs em prazo oportuno, a fim de completar o esquema vacinal. É importante destacar que o intervalo entre as D1 e D2 de oito a doze semanas está preservado e deverá ser observado, conforme consta no PNO e bula da vacina”, destacou a Saúde.

Mudança

A decisão de se reservar unidades para a segunda dose contradiz uma informação fornecida por dirigentes da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), na última sexta-feira (19/2). Naquele dia, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, reuniu-se com os integrantes do grupo para debater mudanças no cronograma da imunização.

 

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •